Comitê de Política Monetária prevê alta da taxa de juros para 2019.

Jordana Felchilcher | 02/10/2018

Por isso, se sua empresa conta com capital de terceiros, aconselhamos que você faça um planejamento financeiro o quanto antes.

 

Após a decisão do último dia 19/09 de manter a taxa básica de juros, a SELIC, em 6,5% a.a., o Comitê de Política Monetária (Copom), lançou sua ata para falar a respeito das perspectivas para os próximos meses e os motivos que levaram à tomada de tal decisão.

No documento, o comitê deixa claro que vê riscos relevantes de aumento da inflação nos próximos meses, devido a dois principais motivos. O primeiro deles seria a piora das economias emergentes ao redor do mundo, e o segundo, a dificuldade de aprovação das reformas estruturais que estão sendo discutidas na câmara de deputados aqui no Brasil.

Além disso, o Copom ressalta que mantém em aberto as possibilidades para a próxima reunião enquanto observa o cenário econômico e suas particularidades.

Uma das principais razões para a taxa continuar no patamar de 6,5% a.a. é o alto nível de ociosidade na economia. Com a diminuição dessa inatividade, poderemos observar uma elevação da taxa de juros. Por isso, é interessante para empresas que estão pensando em captar recursos nesse momento, planejar o fluxo financeiro já com a possibilidade de incremento no custo desses empréstimos em 2019, no caso de pós-fixados.

O ideal seria negociar com o banco uma taxa pré-fixada, abrindo a possibilidade de prever com mais segurança o custo financeiro da operação nos próximos anos.

Caso queira saber mais como funciona nosso serviço de captação de recursos, clique aqui e agende um call gratuito.

 

Saiba mais sobre a taxa básica de juros em: https://www.valor.com.br/financas/5881149/bc-ve-piora-nos-riscos-e-reforca-indicacao-de-possivel-aperto-no-juro

 

Entre em contato e tire todas suas dúvidas!

QUERO ENTRAR EM CONTATO

Qual a importância de saber o custo de capital da minha empresa?

Por que os programas de compliance aumentam o desempenho da sua empresa?

Lei do Bem: como reduzir tributos investindo em inovação.

É possível captar recursos com taxas abaixo de 8% ao ano!